quinta-feira, 30 de março de 2017

A grande verdade sobre a base da pirâmide.


Às vezes, me parece, no turbilhão desesperador que são os acontecimentos cotidianos em meio à precariedade urbana do capitalismo tardio, em um país abertamente reentregue à situação de "Eterno subdesenvolvido", esquecemos da grande verdade sobre nossas situações e condições básicas, primeiras de vida.
A grande verdade é que o capitalismo não são os comerciais de papel higiênico, cheios de personagens caricatos e piadinhas subliminares sobre o ato, vivido como tabu, de "Fazer cocô". Antes disso, o capitalismo é sobre o rapaz alcoolizadamente tonto que entrou no metrô. Suas calças não lhe cabem, ele não usa cinto, nem nada nos pés, seu corpo exala um aroma fétido e ele se tornou uma ilha no vagão: ninguém quer ficar perto dele. Fala sozinho, ou consigo mesmo, não consegui diferenciar, e dentre as coisas que disse, essa, nitidamente não foi nem para si nem para ninguém que em seu corpo habita, mas sim para nós, que dele mantivemos distância: "Fede né, bosta fede, não tinha papel. Nunca tem papel na Barra Funda". Experiência própria: nunca tem papel higiênico nos banheiros da Barra Funda.
Me parece importante, já que mencionei o metrô, um meio de transporte,  recordar que o capitalismo é menos sobre as situações descontraídas vividas numa concessionária de carros entre um vendedor solícito, esperto, de língua afiada e um comprador famoso (um ator da moda, uma cantora em alta), de quem o primeiro tira uma castela no fim do comercial, antes da oferta ser anunciada. A coisa toda na base da pirâmide é muito mais sobre as caras amassadas em tristeza, sono e exploração às cinco e cinquenta e cinco da manhã no 8528, linha de ônibus que corta a zona noroeste de São Paulo, com destino final no centro da cidade, despejando toneladas de mão de obra barata ao longo de seu percurso. O capitalismo é sobre a massa amorfa parada no lado direito da escada rolante.
O capitalismo é sobre uma pessoa qualquer que cruzou o meu caminho numa manhã de sexta feira no segundo semestre de dois mil e quinze. Eu ia de bicicleta para uma reunião na universidade que frequentava naquela época, quando notei um rebuliço entre carros, motos e um homem e uma mulher na calçada. Esses últimos pediam aos motoristas que parassem, e andavam entre os veículos, olhando para o chão. Quando entendi o que acontecia, larguei a bicicleta na calçada e me juntei ao homem e à mulher. A pessoa qualquer que cruzou o meu caminho nessa situação era a que dirigia um carro, e não quis esperar que eu ou o homem ou a mulher retirássemos de debaixo de seu veículo um filhote de gato. O motorista acelerou, quase atropelou minha mão, prestes a pegar o felino, que não teve a mesma sorte. Ele exalou seus últimos suspiros em minhas mãos. Passei o dia na universidade com as roupas sujas de sangue, e a terrível imagem na mente. Capitalismo é mais sobre essa situação, aquele/a motorista e o gato morto, do que sobre Whiskas Sachê.
Capitalismo, aqui pros lados das nossas vielas, é menos sobre o gigantesco império dos fabricantes e vendedores de armas e mais sobre o ímpeto de "Resolver" problemas por meio do assassinato; é sobre precisar dum revólver velho para intimidar alguém a lhe entregar uma bolsa, uma carteira, um celular. É muito mais sobre as pessoas que roubam e revendem celulares, que os roubam e trocam por droga, sobre as pessoas que fabricam celulares, do que sobre a pequena parcela que compra os melhores aparelhos, seja em uma ou em doze parcelas.
Capitalismo, reforço, sobretudo aqui para os nossos lados - não se esqueçam, "Ainda somos colônia, se alguém aqui não percebeu" (Surra, "Não tem boi"), e a tendência para os próximos anos é que voltemos a ser, cada vez mais, mera periferia fornecedora de matérias primas no mundo - é sobre violência, exploração, ausência de recursos, desigualdades, deslealdades, queima de arquivos, abusos sexuais, alcoolismo, os mais diversos riscos de vida. Estar dentro dele, para cima da base da pirâmide, tem seus inegáveis sabores, seus incontáveis problemas, porém, suas impossíveis escaladas - recordo-me da tirinha jovial liberal que dizia: "Socialismo e igualdade é legal, mas só o capitalismo fabrica essas televisões de 100 polegadas", e a resposta racional esquerdista: "Quem propaga essa tirinha tem dinheiro para adquirir essa TV?". 
Gosto de olhar a arquitetura das casas nas periferias, elas são representações de criatividade, de lucidez para lidar com a escassez, mas são também, antes de tudo, símbolos fidedignos do que é estar na base da pirâmide do capitalismo: "Tenha um lugar para dormir, à salvo do frio e da chuva, não nos importa onde ou como ele seja, e amanhã esteja aqui às sete em ponto, se não você vai mais pra baixo ainda na base da pirâmide". Capitalismo é muito mais sobre as milhões de casas populares que, apinhadas entre si, ao longo de muitos quilômetros na zona leste, subvertem as leis da física, do que sobre a dita "Casa do povo", milionária, arrumadinha, brilhando reinante no alto dum pequeno morro  na mesma região da cidade.
Estar na mais larga base da pirâmide social proposta e erguida pelo sistema capitalista é constrangedor, desesperador. É babar dormindo apoiado na parede do trem e acordar envergonhado, olhando ao redor para se certificar de que "Ninguém viu". É embaraçoso, mas já se tornou cultural, e isso é estarrecedor: a miséria, e os artifícios sociais elaborados para nela sobreviver, tudo isso tornou-se uma enraizada cultura.  Das vielas urbanas, irônica, mas necessariamente mal urbanizadas, às plantações de café, é desesperador caminhar pelos corredores mais básicos (pois na base) e mais esquecidos deste, neste, por este sistema falido. No entanto, todos esses adjetivos são essenciais para a manutenção do sistema e da pirâmide.
A propósito, parece que fui chamado para dar algumas aulas de Filosofia em um bom colégio para lá dos limites territoriais da cidade de São Paulo. De certa forma, ao entregar os documentos que me oficializam como responsável pelo cargo, em uma função remunerada, ainda que com pouco dinheiro, deixo de pertencer às seguintes categorias capitais e/ou grupos sociais: "Desocupados", "Sem renda" e "13 milhões de desempregados". 
Segue o jogo.  


 

Nenhum comentário: