terça-feira, 4 de outubro de 2016

Fragmentos - XV.


Parece que nunca vai passar o inverno. Os jovens parece que estão cada vez mais jovens; digo, cada vez que vou à faculdade parece que os jovens estão mais jovens.


Hoje me encontrei com mais gente do que tem sido comum. Isso ocorreu pois fui à faculdade e pois na última semana estive recluso por razão de doênça.
Às vezes a gente tem que ter a humildade de assumir que talvez não seja o vento que é frio demais, a gente que é friorento. A gente, eu, você, nós. 


Hoje foram gastas três horas para ir e voltar. De certa forma é bom não estar recluso, de certa forma é um saco passar por isso para desrreclusar.
Preciso dormir mas a rua está sem luz e a criminalidade se ilumina. Desci para casa correndo com a mochila pesada - "minha dissertação pesa uma tonelada".


É bom falar para os jovens, apesar dos ventos frio do inverno que parece que não vai passar. É bom sair à rua e voltar e jantar e voltar a fazer as coisas.
Quem sabe com isso tudo a ansiedade esmoreça e eu possa dormir uma noite tranquilo e sereno e descansar e não acordar com dores na cabeça.


Nenhum comentário: