domingo, 26 de junho de 2016

Pacote textuoso.


Texto desencontrado.
Teve um dia em que eu simplesmente larguei mão de alcançar "o melhor". Hoje eu deixei a televisão ligada na disputa do terceiro lugar da Copa América e achei incrível como o estadio estava vazio e isso soou incrível por que a seleção do país-sede estava disputando o jogo, mas é compreensível, trata-se dos estados unidos da américa e eles tem essa obsessão por ser sempre "o melhor" e aí os caras estão lá disputando terceiro lugar que merda tem que ser primeiro tem que ser o melhor se não é looser terceiro lugar é looser; eles ficaram em quarto e consigo imaginar os cinematográficos texanos falando ardido what a fucking them looser forth place. Simplesmente larguei mão de alcançar "o melhor", e fui seguindo a linha até chegar a pipa, apenasmente isso mesmo: larguei mão e com um desgaste colossal fui puxando a linha da pipa até que ela chegasse às minhas mãos - eu vou fazer, eu estou fazendo, eu fiz, eu tentei dar o meu melhor, mas larguei mão de alcançar "o melhor". Acho que isso não aconteceu em um dia, talvez em "um dia" eu tenha escrito isso em algum papel que se perdeu ou tenha tido esse estalo mentalmente, mas foi um fruto processual como todo bom fruto. Estou num período em que eu simplesmente não sinto mais saudades, não me considero mais aquele ser amorfo mofando por respirar só saudades, parece que elas já tem uma residência fixa e eu consegui lidar com isso sem ser como uma exceção escabrosa; também não me considero mais aquele sujeito repleto de expectativas positivas e perspectivas bacanas (isso sempre dura pouco tempo, bem menos do que o desejável). Larguei mão de fazer "o melhor" em nome do desejo de fazer, chegou um ponto em que eu realmente pensei que fazer já seria "o melhor", o que não quer dizer que não dei o meu melhor, quer dizer que eu alcancei uma conceituação de melhor, e isso é sempre frustrante quando: lidamos com múltiplas conceituações de algo assim; somos ansiosos e inseguros; temos a cabeça tal qual nuvem flutuante se dispersando por entre paisagens distintas e diversas; temos de lidar com um golpe. Estava lendo um texto muito bom quando dei um alt+tab para descansar o cérebro um pouco vendo besteira na internet e então tropecei em bosta pesada, coisa fétida mesmo: a onda separatista quebrou na costa, a areia é lisinha e clara, a praia é de tombo; alguns berbigões se esconderam na areia e deixaram como rastro pequenos furos, outras ondas, do mesmo separatismo vieram em seguida, conseguiram caçar berbigões cansados e arrastá-los para dentro do mar, outros seguiram em um fluxo de se esconderem até serem desescondidos. Seria interessante, mas acho que isso fica para depois, fazer um texto sobre a noite em que faltou luz aqui no bairro. Não foi de um dia para o outro também, mas foi um pouco antes de largar mão de alcançar "o melhor", eu tive consciência de que talvez fosse a pessoa errada na hora e lugar certos, uma definição assaz pesada e até xarope, mas que não tenho lá muita vergonha em usar, por que me soa legítima: eu olho em volta, olho para trás, rolo as páginas de textos diversos, vejo as fotos, a bagunça no quarto, a infinidade de sujeitos com passagens fluídas e curtas em um período relativamente curto - quanto mais a gente vive, mais um período tem que durar para soar "longo" - e me certifico da quantidade de questões confusas e mal amarradas, definições de índole questionáveis pois duvidosas; ouvi também um compilado de canções minhas do período que organizei num fim de noite de insônia e reforço essas noções, vejo nas músicas que ouço coisas que cheiram muito mal por terem soado tão bem para todos esses sentidos. É sincero dizer que larguei mão de alcançar "o melhor" e também é sincero equacionar o errado-certo-certo. A grande verdade é que olho para todos os produtos finais (inclusive no espelho, onde vejo a carne processual de todos os frutos) e penso que levo um vazio - sendo que esse próprio vazio, o do link, é fruto do período, embora seja da etapa em que eu ainda não havia largado mão de nada, mas parece que eu partilho certa crença nesse vazio todo que preenchi com palavras perdidas.
Até que ficou um texto encontrado, parece um pacote.


quarta-feira, 15 de junho de 2016

Eu nunca vou sarar dessas saudades - II.


[Ou "A escada"].
[Articula diretamente com "eu nunca vou sarar dessas saudades"].
Outro dia eu estava pensando que eu deveria saber definir melhor as diferenças entre espaço e lugar, e eu na real não sei. E tem uma coisa que eu já penso faz um tempo sobre isso, vou explicar. Outro dia minha mãe se referiu à escola onde ela trabalhou por muitos anos e eu estudei por outros tantos. Aquela escola não existe mais, e já faz um tempo, a edificação foi demolida, se tornou terreno e atualmente é um prédio de alto padrão, coisa para ricaço mesmo. Mas no referencial da minha mãe, a região ainda é "perto da escola". Uma questão de espaço-tempo interessante para pensar. 
E aí tem outra coisa que volta e meia eu penso nesse rumo: a escada do antigo Cão Pererê, em Marília. A que levava do bar para o andar onde tinham os shows, onde realizei os meus primeiros trampos de portaria para a casa, durante as noites de jazz em meio de semana às quartas-feiras em 2011. Talvez aquela escada nem exista mais, penso. Acho que a última notícia que tive daquele espaço é de que foi transformado, enquanto lugar, em um depósito ou algo do gênero do mercado que tem no mesmo quarteirão. Sei lá se mantiveram a escada.
Com certeza, aconteceu muita coisa naquele espaço, tomado como lugar, referencial de acontecimento, ponto preciso de situações. É um pecado terem demolido aquela escada, se o fizeram mesmo. Aliás, e isso eu estava pensando outro dia pedalando por São Paulo, toda demolição é um pecado. Imagine que demoliram um prédio inteiro, perfeito, intacto, só para dar continuidade a uma obra do metrô perto da ponte da Freguesia do Ó. Todo mundo sabe que as obras do metrô são uma mentira, são planejamentos que não se concretizam, são acidentes, são histórias para boi dormir ou histórias para paulistano tal qual boi dormir em seus deslocamentos cotidianos. Mas aí demoliram um prédio perfeito.
Tratar o espaço de maneira tão burra, em nome de criar supostos lugares. Mas tenho mesmo saudade daquelas escadas.


quinta-feira, 2 de junho de 2016

Acabar.


Uma dificuldade sempre foi acabar. Dar por encerrado. Pode parecer besta, mas acabo me apegando de maneira muito intensa às coisas que devem ser feitas e por mais sôfregas que elas sejam eu não consigo simplesmente acabar levantar lavar as mãos amarrar os cadarços e sair por aí. Coloque nessa tigela desde fazer um almoço e comê-lo até terminar um relacionamento relativamente longo ou consideravelmente curto - o lance da dificuldade está também justamente em perceber que há uma temporalidade girando no cronômetro mas ignorá-la e tratar segundos com a mesma intensidade com que trato os anos - e não vejo nisso um defeito ou algo a ser corrigido. No ano seguinte ao que terminei o ensino médio eu frequentava a escola semanalmente, e um inspetor dizia que eu ainda não havia conseguido cortar o cordão umbilical; era uma boa metáfora, e isso já faz quase dez anos. É um troço burro, sobretudo no que diz respeito às coisas que geram desconfortos, e aí, da dificuldade em encerrar o desconforto, mais desconfortos nascem e crá crá crá crá vocês já sabem. 
Verso zero.
Bom, ainda faltam questões pontuais por organizar, também há costuras e amarras mais sólidas por realizar, justamente, a fim de tornar o texto sólido. No entanto, não é cedo para dizer: "eu escrevi uma dissertação de mestrado".
Parabéns, cara.
Que é isso, para você também, parabéns.
Não, eu não mereço os parabéns.
Claro que merece, estamos juntos.
Rapaz, passei o tempo todo te desvirtuando da coisa. Você merece todos os parabéns, e em dobro: você venceu as suas dificuldades e me venceu.
Mas é justamente por isso que você também merece os parabéns: vencemos as nossas dificuldades e nos vencemos, um ao outro, nessa guerra tão atroz pelo nosso corpo e pelo nosso tempo.
Será sempre esse conflito?
Não sei. Mas vamos em frente, sigamos fazendo.
Isso mesmo. Fazendo de tudo.
Faremos. De tudo.