sexta-feira, 22 de abril de 2016

Produtos.


Tem aquela velha tiradinha que diz que quanto mais queijo você põe num sanduíche menos queijo terá para colocar nos próximos. Tem também uma velha fala que diz que cada dia a mais que se vive é um dia a menos que se viverá. Tem aquela outra que diz que tira põe deixa ficar guerreiros com guerreiros fazem zig zig zaa, mas essa última eu não sei o que quer dizer. Parece que a cada semana o intervalo entre um maço e outro diminuí, e a sede aumenta conforme correm as páginas do texto. Também parece, por uma ironia reversa sobre as metas inatingíveis, que quanto mais texto há, mais texto há de ter, e para cada texto a mais que se tem de fazer mais maço se irá queimar e mais sede se irá ter. Maior será o vazio pelo que foi deixado de lado, e maior será o estranhamento perante o trabalho ao término de um dia inteiro. É uma ironia, tanto a queima de produtos, quanto a criação de produtos, tanto quanto o estranhamento do trabalhador frente o produto que ele mesmo criou. Que estupidez.
Verso 38.


Nenhum comentário: