quarta-feira, 1 de julho de 2015

Fragmento - V.


Não tem jeito, quando eu vejo, eu já estou surpreso comigo mesmo. Dessa vez a revelação da surpresa veio por meio da frase: "se você está reclamando disso, você percebe o quão careta está ficando?'. Cheguei até a me ausentar por alguns instantes, mas quando retornei, segui a lógica de reclamações mentais. Também, eu não conseguia ouvir nada, todos os assuntos estavam rompidos e, enfim, aquilo não fazia lá muito sentido. Dai aconteceu daquele ritual ter fim e eu estar livre para pegar a minha bicicreta e voltar para a casa onde tenho morado. Pedalava suavemente, sempre com os olhos atentos às setas dos carros e aos motoristas nada prudentes quando, boiiiing, uma chapuletada em meus pensamentos soou como uma paulada em minha cabeça: "seu animal, você não percebeu que hoje é o começo do fim? Que hoje acabou uma das etapas mais xaropes dessa coisa toda e que agora falta só a parcela menos árdua e um tanto quanto bastante saborosa do bagulho?". Sabe, deu até uma vontade de cortar caminho por dentro de um parque só pra pensar mais nisso. Ao sair, confirmei: de fato, é uma percepção louvável.


Nenhum comentário: