segunda-feira, 25 de maio de 2015

A pista de salsicha - II.


As luzes da festa já se apagaram todas, faz tempo. Na verdade é o caso de dizer que alguém teria de reabrir o salão após um longo tempo. Encontraria cadeiras caídas, talvez ratos, até cobras nos cantos do salão antes radiante. Nos vãos entre as bases e os tampos das mesas, volumosas teias de aranhas. Camadas e mais camadas de poeira recobririam o que já foi o balcão do bar. A maciez do piso de salsicha não durou.

-Me parece que tem uma angústia muito forte ai, por que
-Não. 
-O que?
-Desculpa interromper.
-Pode falar.
-Angústia é um termo moderno demais, me parece aquelas coisas de cidades europeias iluminadas, os estrangeiros do Simmel perambulando ali e tudo o mais e se sentindo sem lugar no reflexo do vidro. Não é angústia, está mais pra ódio mesmo. É um sentimento odioso. Quando eu vim pra cá, fiz um trecho do caminho de bicicleta, e quando eu pedalo com força, com raiva, com velocidade, eu me sinto devorando as ruas, devorando a cidade - gostei da sua ideia de pensar a cidade como um personagem, e eu o devoro. Dai eu estava focado olhando pra frente e dediquei atenção ao piso da ciclovia, aquele vermelho meio desbotado, pensei 'parece cor de salsicha'. Lembrei desse texto que te falei por cima, que é daquela musiquinha que cantavam quando tinha passeio na época da escola. Dai eu pensei: "que merda, a metáfora do piso de salsicha era pra falar de um chão tão suave, tão pleno, tão gostoso de andar, e agora virou essa bosta: preciso pedalar com força pra devorar a rua de salsicha e sentir o meu ódio por esse personagem-cidade se dissipar".
-Eu acho interessante isso, a recriação que tem em cima de tudo isso: a bicicleta, a ciclovia, o ritmo da cidade que parece te engolir e ao mesmo tempo você quer devorá-la. Deve ser intenso.
-É intenso, mais do que devia. Negativamente intenso. Às vezes eu só queria pedalar tão forte, tão rápido, sabe? Não sei, a ponto de me derreter em cima da pista de salsicha, e como mostarda me fundir nela, sem precisar ter uma relação tão odiosa assim. Por que é ódio, não é angústia.


Nenhum comentário: