sábado, 21 de março de 2015

Basta!


Cheguei em casa e fui tomar um banho. Coloquei o chuveiro no modo semi quente, fechei a janela do banheiro. Me lembrei que ontem eu não havia tomado banho, e julguei que não teria problemas burlar um pouco as mensagens que estão espalhadas por toda a cidade, e tomar um banho mais cumprido - eu já havia economizado água ontem.
Meu cabelo está bem curto, sentia a água esquentando meu couro cabeludo. O vapor cobriu o espelhinho, e eu não me via mais nele. Bom. O sabonete estava no fim, e toda hora caía no chão. Quando encostei no registro, de metal frio, o choque térmico foi ruim, foi estranho e não bateu legal.
Me lembrei, então, de um trecho de ontem (o dia em que eu não tomei banho), quando a noite estava no começo, e prevaleciam os pirilampos sorridentes-agarrados. Me recordei de quando cruzamos a Paulista, que está passando por reformas. O canteiro de obras é sinalizado por placas brancas com setas laranjas, e em uma dessas placas havia um escrito, feito com um canetão preto: "BASTA!!!".
Se eu tivesse prestado mais atenção nesta mensagem (creio que vestígio das recentes manifestações), tenho certeza, o meu banho de desjejum seria menos pejorativamente registrável.
Ps: parodiando os versos de uma brincadeira de criança: "pe-diu pra bas-tar bas-tou" - e chega uma hora que bosta basta.


Nenhum comentário: