sábado, 30 de agosto de 2014

Na verdade eu não gosto desse tipo de análise.


Lembro, quando já não era mais tão jovem assim, e decidi que viveria um reveion tal qual a etiqueta indica: acreditar que um "ano novo" pode significar realmente alguma(s) mudança(s) na vida. "Não vou de branco, mas vou acreditar que, por conta desta meia noite (...) alcançarei meus objetivos, seja lá quais forem", eu escrevi. Hoje em dia eu penso essa sentença de outra forma, talvez obviamente.
No final do ano passado me vi numa situação curiosa com relação à "passagem de ano": mudanças realmente significativas se anunciavam para o período anual iniciado após o 31 do Dezembro, tanto no que diz respeito ao ano vivido, quanto ao ano que estava por vir. E eu bati o pé e fiz questão de viver um reveion mil grau.
Não me vesti de branco (nunca o faço, não gosto de branco), mas fui pra uma praia não cheia, afastada. Levei na bagagem uma champanhe Corinthiana, uma camiseta para usar na ocasião e me recordo de ter acendido um fogo de artifício um pouco depois da meia noite.
Me lembro também dos abraços tão ternos e plenos, das falas positivas entre nós e da minha cabeça falando pra mim: "esse ano vai ser foda, você batalhou, alcançou algo que queria e agora vai viver uma mudança por si".
Todos os meus prognósticos (e de quem estava comigo ali) eram os mais positivos sobre este 2014 que eu viveria. 
Não vou contar quantos dias se passaram, mas já passou praticamente o período de uma gestação completa desde que molhamos as canelas no mar partilhando profanidades reveionescas. Nove meses se foram de todos aqueles votos e certezas, e, hoje, ao me enrolar no cobertor e saborear um pouco mais a sensação de desemprego e inutilidade do meu ser, saboreei que a minha unica certeza é de que realmente eu não gosto desse tipo de análise.
Tudo soa uma merda, todos os planos se mostram furados, e o futuro (que, em tese, faz isso tudo valer a pena) é uma página que parece que não chegará tão bacana assim, quanto parecia naquela meia noite com poucos fogos, pois a praia era isolada.


Nenhum comentário: