quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Diário da Raffaela - Suada.


Raffaela saiu da escola. Não no sentido de quem terminou de cursar o ensino escolar básico, tido como obrigatório de ser ofertado a todo indivíduo neste país, e não mais voltará à escola na condição de aluna. Nem no sentido de que teve muitas faltas, foi considerada aluna evadida e, por vontade própria e falta de contra argumentos da família, abandonou os estudos. Mas sim no sentido de que passou por debaixo do arco que compõem o portão da escola, no vetor conhecido como "do espaço escolar para os domínios da rua" (ou "de dentro para fora"). 
Por isso afirmo: Raffaela saiu da escola.
Ela subiu em um ônibus, depois desceu dele, subiu em outro e desceu deste outro também, mas ai não pegou outro. Não. Caminhou por dois quarteirões e chegou em casa. Todo dia fazia esse trajeto.
Raffaela morava com o pai em uma casa em cima de um supermercado em um bairro afastado do centro e das lojas e das melhores escolas e dos terminais centrais de ônibus em uma cidade média que tinha mais do que um terminal central e muitos supermercados e um desses supermercados (o que ficava embaixo da casa da Raffaela) era propriedade do pai dela. 
Raffaela saiu da escola, pegou dois ônibus e chegou em casa.
Para chegar em casa ela tinha que passar por dentro do supermercado (que ela considerava parte de sua casa, especificamente, a dispensa). Eram os últimos dias de aula do ano, final de novembro e o calor começava a morder as glândulas sudoríparas e a causar a efervescência e o fugitivismo bandido das gotas de suor por todo o corpo.
Raffaela passou por dentro do supermercado, o pai falou algumas coisas com ela, até que, enfim, chegou nos espaços privada e puramente de sua casa; ela precisava de um banho, mas antes escreveu em seu diário:

"Merda de mercadinho do caralho que saco essa porra vou ter que trabalhar nas férias achei que ia poder descansar um pouco e ficar tranquila só passeando com a Lú e a Sô mas vou ter que ficar trabalhando aqui pra economizar com funcionário bosta".




Nenhum comentário: