sábado, 20 de julho de 2013

Fim de Romance - VII A.


A série Fim de Romance, que, a bem da verdade, deveria se chamar Fins de Romances, uma vez que concatena um grupo de escritos ficcionais e imaginativos a cerca de romances diversos e distintos (e não apenas sobre um romance) que, por uma razão ou outra chegam ao fim,  [e, aqui nesta série, me interessa a razão ou outra], terá aqui uma breve pausa. Um breve silêncio - um tempo, como muitas vezes ocorre nos Romances, não raro, como um prelúdio aos Fins, que aqui tenho descrito.
Tenho já prontos para publicações os números seguintes, e até o que encerra essa brincadeira textual toda que, como um exercício pessoal, tem me ajudado a encarar com um pouco de leveza um momento peculiar nesta vida. 
Um curto espaço de tempo será dado para que eu os retome à publicação - o que é uma pena, pois a média de leitores estava bacana (39,8 por texto) e a escrita estava me fazendo um bem danado.
Porém, ocorre que às vezes pausas são necessárias. 
Às vezes elas vem de dentro, e às vezes recaem como imposições, por parte daqueles que não entendem o que significam os termos que, neste texto, estão sublinhados ou em itálico.

Até por que, não existe piedade quando o discurso (ou a porrada) do choque chegam.




Nenhum comentário: