terça-feira, 16 de abril de 2013

O que te dá esse direito?

[Ou: "burocraticamente filho da puta"].

Preâmbulo:

Odeio burocracia. Li Max Webber, e passei a odiar mais.
Sempre que possível procuro minimizar e/ou simplificar ao máximo os processos e corres burocráticos a que tenho de me submeter.
Quando fazíamos coisas que envolviam 'inscrições" volta e meia eram sugeridas tabelas, planilhas, listas, formulários etc. Aquilo tudo me chateia.

Explicação em Si:

Quando vou passar por algo que requererá burocracia, já me preparo, temporal e espiritualmente. Isto é, separo um dia ou um período inteiro (uma manhã, uma tarde) para dedicar a tal processo. Normalmente separo também previamente uns trocados para uma coxinha, um sorvete, uma cerveja ou qualquer coisa que possa amenizar os efeitos de um período em corres burocráticos.
Já sei que me irritarei, já sei que haverá documentos ausentes (mesmo que não tenham sido pedidos anteriormente) e já sei também que haverá filhos das putas - nestes termos.
Webber (e nenhum sociólogo que trata do assunto) não utiliza este tipo de classificação para indivíduos envolvidos com andamentos burocráticos, mas eu tenho certeza: desde a abertura do primeiro cartório, desde a redação da primeira portaria, desde a criação do primeiro balcão de cartório, desde a "necessidade" da primeira cópia em três vias, já havia atrás do balcão, entre carimbos e grampeadores, um filho da puta - nestes termos.

Resmungo em Si:

Vou começar a dar aulas (e este blogue viverá uma nova fase de reclamações, descobertas, invocações etc: as relacionadas com o ato de lecionar), e, para começar a dar aulas, procedimentos burocráticos são necessários, a começar por uma lista com dezenove (19) documentos que devem ser entregues na secretaria da escola em que darei as tais aulas.
Providenciando estes documentos - que já me consumiram três períodos: uma manhã e duas tardes - já deparei-me com diversos e distintos balcões e filhos das putas. Mas nenhum deles supera e, duvido, superará o da tarde de hoje.
Estava marcado para as 13 horas (popular "uma da tarde") o providenciamento de um dos dezenove documentos. O sujeito (o filho da puta em questão) chegou às 13h42min (popular 42 minutos de atraso).

Encerramento da Questão:
Filhos das Putas Burocráticos e Burocratizadoras: o que lhes dá o direito de atrasarem, atenderem mau, agirem com desdém?


[o título da foto é "por um fio"].

Nenhum comentário: