segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Um elevador no peito - II.


1)
Não se fazia ideia das horas, o sol entrava firmemente pela janela de vidro fechada, o suficiente para iluminar todo o ambiente:
"Sai de perto", se disse.

2)
Os olhos estavam bem abertos, os olhares mesclavam tensão e um calor muito próximo aquele do sol:
"Cinco minutos", se falou.

3)
A janela de alumínio fora fechada, uma cabeça apoiada sobre o tronco alheio, coração não para de bater, e a cabeça se move no ritmo deste pulsar:
"Estou fazendo um elevador com o meu peito", se pensou.




Nenhum comentário: