quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Coxinhas.

[devo iniciar a prosa aqui, como incio em "saia"]:


Na verdade, eu sou encantado por esse tipo de coisa.
Neste caso, até disfarço; às vezes, a muito custo.
Disfarço, desvio o olhar; finjo até ignorar.
Já houve momentos em que eu disse algo.
Sempre tem uma máquina de massa em minha cabeça.
E uma panela repleta de recheios em meu crânio.
Não sou cozinheiro.
Tampouco massagista.
Muito menos dono de lanchonete em Bueno de Andrada.

Quando me recordo,
Do dia em que comemos coxinhas,
Eu lembro das tuas pernas,
Sobre as minhas.






Nenhum comentário: