sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Um Idiota.

Durante um longo tempo na vida eu apenas frequentava os rolês: saia de casa, pagava o ingresso (pois nunca fui de manguear, sempre tive prazer em pagar quando achava justo, se não achava justo, eu nem ia), curtia e voltava pra casa - com possibilidades de escala noutra morada, claro. Neste período, eu nunca tive noção exata do "trabalho que dá" montar um rolê.
No ano passado, entrei para o então Coletivo Caipira Bruto, que se tornaria em Agosto de 2011 o Coletivo Desdobra, um coletivo ligado ao Circuito Fora do Eixo. No Desdobra desenvolvemos rolês  no Cão Pererê - único espaço na cidade de Marília que se abre para Noites de música apenas com bandas autorais e independentes - e já realizamos algumas ações em outros pontos da cidade, como o Espaço Cultural e a República Branca de Neve.
Locais que são bem diferentes em suas estruturas, e nos quais desenvolvemos tipos distintos de rolês. Porém, locais que se tornam semelhantes em um aspecto quando nos dedicamos a fazer algum evento: estar neles e montar um rolê envolve muito trabalho, e por envolver trabalho, envolve muita gente.

Coloque duas bandas, e estará envolvendo em torno de 8, 9, 10 músicos: uma banda pode ter 7 integrantes, como o Osso e Dente, e outra apenas dois, como o meu glorioso Zababô Zebrinha.
Coloque um bar para vender bebidas, uma pessoa responsável por cuidar do som e do palco, e você terá mais 3, 4, 5 pessoas em dedicação durante o rolê.
É necessário 2 ou 3 na portaria para recolher ingressos ou cobrar o dinheiro pela entrada ou colocar pulseirinhas nas pessoas etc. 
Os shows das bandas não devem passar em branco, então, indiquemos 2 pessoas munidas de máquinas fotográficas e filmadoras.
Pensemos que alguém teve de limpar a casa antes, e alguém - pode ser o mesmo, ou outro alguém -  terá de limpar a casa depois.
E, claro, consideremos que para que haja público no evento, é necessária uma boa equipe de divulgação, o que envolverá mais, no mínimo, 10 pessoas.
Fazendo uma soma simples, notamos que para um rolê acontecer, são necessárias, no mínimo, 20 pessoas envolvidas.

Agora, algo que aprendi com o tempo (e reiterei na noite da última quinta feira): vocês sabem quantos são necessários para estragar um rolê? 
Não?
Basta reler o título do texto para obter a resposta.

***

Ademais, gostaria de deixar um abraço carinhoso aos responsáveis pelo Cão Pererê: todo o trabalho e cansaço jamais serão em vão.


Um comentário:

Osso e Dente disse...

Foi pra acabar mesmo o que o cara fez no banheiro, mas de qualquer forma a festa estava muito boa, e curtimos muito estar ai. Parabéns a todos da organização que fizeram a noite de quinta acontecer e ser tão massa.