quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Essa tal seriedade.

Tenho um sério problema na vida com o termo "sério" e suas variações: eles me perseguem. 
Foi em meados do fim de Agosto de 2005 que isso começou. Nesta época era um jovem rapaz no auge de seus dezesseis anos, que se vestia com bermudões pretos longos, tênis madrats, camisetas de bandas de hard core e grunge (algumas ainda uso até hoje) e, religiosamente, um boné daqueles com redinha atrás. Era o período em que andar nas ruas significava colar adesivos (nunca gostei do termo sticker) em postes, placas, semáforos etc.
Em Agosto daquele ano o eu sujeito descrito acima estava vivendo um namoro com uma bela jovem, que ia para a escola com camiseta vermelha estampada com o rosto do Che Guevara. Eramos um casal simpático, gostávamos das aulas de história, geografia e literatura, e conversávamos sobre algo que entendíamos como "arte crítica" e política. 
Certa vez, já à época do término do namoro, não sabíamos muito bem como lidar com isso (aliás, não sabíamos bem como lidar com nada daquilo que sentíamos e vivíamos) após uma briga, a garota fora questionada por uma pessoa relevante em sua vida: "como você pode levar a sério alguém que se auto intitula Coiso?".
Os anos foram passando (já se foram sete) e volta e meia alguém questiona o meu coeficiente de seriedade. São amigos, parentes, pessoas com quem desenvolvo trabalhos, pessoas que assumidamente me repudiam etc, que apontam uma capacidade minha para não ser sério ou questionam (negativamente) posturas de não seriedade.
Reconheço que não sou cotidianamente sério, que não transpareço seriedade; aliás, assumo que só me concentro em ser sério quando entendo se fazer extremamente necessário, no restante do tempo piadas, sorrisos e ironias me soam mais coerentes com a chatice da vida do que respostas objetivas e cruas.
Então, pessoa próxima da garota com camiseta do Che Guevara (e todos vocês que sempre questionam a minha seriedade), lhes pergunto: se essa seriedade que vocês veem como ausente em mim é tão bacana, por que até quando estou ranzinza estou mais bem humorado que vocês?

***

A imagem abaixo é um desenho feito por mim em 2008, para ilustrar e intitular um grupo de músicas compostas por mim entre 2007 e 2008. Na época, eu achava que a faculdade (e tudo o mais) me conduziriam a ser plena e integralmente sério. Há dois meses de encerrar a graduação fui novamente questionado sobre "ser sério"; e, consequente a isso, o texto acima indica que eu estava equivocado neste 'achismo'.
A quem possa interessar, as citadas músicas estão neste link.



Nenhum comentário: