domingo, 2 de setembro de 2012

Duas Marmitas.

Chegamos na cidade desconhecida:
-Ôh Pelego, que fome.
-Também, vamos procurar um restaurante barato.
-Pergunta pro taxista ai Pelego.

Taxista:
-Olha, restaurante barato assim, barato, não tem. Tem aqueles que tão 'no preço'.
-Tá certo, brigado.

Moça do Bauru Cap:
-Dizer um lugar pra vocês comerem que seja barato eu não sei, tem aquele ali.
-Passamos lá, é caro, quinze pra cada um.
-E a comida é horrível, vou dizer pra vocês.
-Mesmo?
-Óh, vocês vão descer aqui pelo lado do sol, ai vira ali na esquerda e segue pelo lado da sombra, segue até a esquina que vocês vão ver um homem vendendo Bauru Cap. É o meu marido, ai ele vai dizer onde ele compra nossas marmitas.
-Tá certo, brigado.

Seguimos o caminho:
-Pelego, não tem ninguém nessa rua vendendo Bauru Cap.
-Vamos voltar lá e avisar pra ela que o marido dela não tá por aqui não.
-Bom, tem aquele restaurante ali com a porta fechada na metade, vamos ver se nos fazem uma marmita.

Restaurante Boa Opção (com a porta semi fechada, diálogo travado pela janela):
-Moço, cês já fecharam?
-Já.
-E não tem nenhum restaurante barato aberto por aqui?
-A essa hora não, tá tudo fechando.
-Não tem como fazer umas marmitas pra nós?
-Quantas são?
-Duas.
(ele chamou o cozinheiro, perguntou algo)
-Dá sim, mas pega ali na porta do fundo que eu vou fechar as janelas também.

Marmitas nas mãos:
-Pelego, cê quer comer aqui na calçada ou vamos sentar ali na praça?
-Tem praça?
-Tem uma igreja ali, deve ter uma praça na frente.
-Mas vamos ter que descer a rua e depois subir? Que minhas coisas tão pesadas eu já tô cansado de andar pra lá e pra cá com isso tudo. Se tiver que subir de volta eu não vou querer descer, a gente senta aqui no canto e come ali mesmo, só ter uma sombra já vai ser uma benção.

Caminhando na bela praça rumo ao banco com sombra:
-Enfiei o nariz dentro do saquinho que o cara botou a marmita pra ver se adivinhava pelo cheiro qual é a proteína que o cara colocou, mas não adivinhei.
-Deve ser bife, ou frango assado.
-Podia ser feijoada.
-Feijoada não é proteína.
-Se for bife tá bom.

Abrimos as marmitas. Nossos olhos brilharam, nossos estômagos vibraram, nossos corações pararam de pulsar por um instante para poderem contemplar aquele primor da humanidade, aquele primor no universo das marmitas da face da terra: arroz, feijão, bife, linguiça calabresa frita e um ovo frito.

Bem alimentados, seguimos rumo ao bar, rumo a perambular e rumo a um grande show e uma grande noite.
A marmita comida na praça em Jau foi o marco definidor do começo de uma grande tarde e noite entre os Pelegos do Zababô Zebrinha.


Nenhum comentário: