quinta-feira, 9 de junho de 2011

"[...] Sei que por vezes é tão escuro e tão frio,
Que desapareço sem sequer ser percebido [...]"
E o oposto faz-se, saborosa e desconfiadamente, verdadeiro no passado recente e presente atual.

Nenhum comentário: