quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

liberta as dores.

Trocadilho infame, fazer o que se tem lá suas verdades?
Mas esta última noite, e esta atual manhã, pelo menos pra mim, não estão sendo de dores, até por que, não há nenhuma eliminação consumada ou fato mais dolorido para além da verdade nua e crua: os chucros (e ofensivos!) 90 minutos. Ano passado doeu: bolas na trave, defesa milagrosa do goleiro deles, tudo nos últimos minutos de jogo; o teto de casa ainda guarda a marca do chinelo e os respingos da lata de cerveja, chutada por mim no momento da raiva maior.
Em outros anos também doeu, como nas duas seguidas derrotas aos porcos, nos penaltis. Estas são as dores do jogamos pra ganhar, e agora? Talvez um misto de sentir-se injustiçado pelo futebol com sentir-se... Não sei dizer, mas dói.
Hoje não, talvez a dor já libertada por esse torneio continental (que nem começou, e talvez nem comece) é uma raiva pura e concentrada, a percepção de que foge dos meus domínios o que fazem lá dentro: tanto do gramado quanto dentro de meu coração alvinegro.
Não chorei ontem, e caso se confirme o pior, não chorarei.
Chorei sim após o gol de Adriano no maracanã, após os 3x2 pro time da argentina; bem como chorei após muitas derrotas que ainda não sacramentavam uma eliminação ou perda de título, fosse paulista, brasileiro ou nestas liberta as dores. E sempre que chorava, quem estivesse perto de mim, quando amigos, diziam não chore, ainda seremos campeões, o time jogou mas não fomos; quando meu pai, sempre dizia não chore, não vale a pena, não seja tão criança.
Apenas me pergunto: estou ficando velho ou o time é que está uma bosta mesmo?

Um comentário:

"Garota do Timão" disse...

Respondo: O time é que está uma bosta mesmo!!!!