quarta-feira, 15 de julho de 2009

A revolução [enfim]...

Os grandes boatos acerca da apresentação do seminário sobre "o manifesto comunista", do Marx e do Engels, na segunda feira em que retornam as aulas, só crescem, e eu enrolo para mandar um emeiou ao professor. Eu já havia lido e feito um resumo, o qual seria a minha fala, porém, não encontro a porcaria do papel e mal-e-mal lembrei, ontem, qual seria a minha parte.
Ontem a noite, deitado na cama, sem sono, ouvindo dance me recordei e comecei a pensar na coisa da revolução, da greve, dos partidos e etc. Mas sobretudo, parei para pensar na revolução, na aceleração do tempo histórico, e cheguei a conclusão de que eu já vi a revolução acontecer.
Pois foi no ano de 1998, eu estava na terceira série do primário [hoje "ensino fundamental I"], e nesta época as festinhas de aniversário se limitavam a: festa de menino, só meninos, festa de meninas, só meninas. A sala era pequena, eramos 10 alunos: Aline, Thais, Gabriela, Fernanda [com a qual conversei há poucos dias], Priscila, Eu, Valmir [hoje admirador de rock´n roll], Guilherme, Rafael e Marco [na última vez em que o vi, guitarrista de hard core].
Bem, ai aconteceu que um dia, nossa colega Thais, foi o "agente revolucionário". Entrou na sala, falou algo com a professora Isabel e deu um recado, de que faria a festa de aniversário dela em um buffet próximo ao colégio, e que estava convidando todos da sala, meninos e meninas.
Viva la revolución!!! Ou devo dizer: Thais, che guevara da freguesia?

http://www.myspace.com/bielcoiso

2 comentários:

pedro meinberg disse...

pelo seu relato, pra mim não há dúvidas de que tal thais é revolucionária!

Iris disse...

incrível oq a thais fez, não posso dar relatos do tipo pq nunca me queriam nas festinhas...