quarta-feira, 8 de julho de 2009

Gastrite.

Há mais ou menos três anos dores de estômago e ãncias [nunca sei escrever isso] começaram a me alfinetar. Enrolei um pouco, na época tinha a escola e algumas outras coisas da época, mas ai, no segundo semestre eu acabei por estrupiar-me por completo no aspecto estomacal. Me recordo de porres homéricos amanhecidos num hospital da Lapa em agosto, setembro, outubro e novembro. Era 2006. No final de novembro [ou começo de dezembro], o médico gastrocoisa disse para eu fazer uma endoscopia e ai descobriu que eu tava com uma gastrite.
De lá em diante passei a investir na idéia do "homem sem estômago" (assim como o David Bowie pensou o 'starman' o 'ziggy'). Mas larguei da idéia, a gastrite passou após uma cartela de remédios, que deve ter custado caro à minha mãe, e eu voltei às tardes de café e noites de goró.
Mas o estômago resolveu dissolver-se novamente, tudo bem, assumo que dei motivos. E hoje, vindo novamente para São Paulo, no pouco tempo da viagem em que fiquei acordado, pensei se voltarei a ser o homem sem estômago, ou se por fim começarei a sê-lo.
Ps: segunda feira fui atendido num pronto socorro em razão das fortes dores no estômago e na cabeça, o médico disse que eu tomaria um soro com um composto diluido e etc. Pediu ao enfermeiro que prepasse e me medicasse com aquilo. Primeiro, o enfermeiro me chamava de "meu rei", segundo quando foi olhar se o soro já havia se acabado disse "é, acabou já essa bagaça aqui, que é muito boa pra quando a gente toma umas cervejas a mais", terceiro, e último, quando foi tirar a agulha de meu braço disse em voz alta: "é que você é corintiano, ai eu trato direito, por que quando é palmeirense eu já falo "põe o braço aqui porra!"". A priori isso me causou um estranhamento negativo, mas depois se tornou algo positivo, não sei dizer ao certo.

http://www.myspace.com/bielcoiso

2 comentários:

Iris disse...

achei engraçado. melhor enfermeiros assim do que assados.

pedro meinberg disse...

não sei por que mais lembrei de "gastrite cerebral e úlcera mental", rs.