quarta-feira, 29 de abril de 2009

Viajar a serviço.

Na época da escola, em que eu era a minoria e a diferença, mas não sabia disso, eu achava só que eu não tinha a mesma religião que meus coleguinhas, os pais deles sempre iam "viajar a serviço". E eu nunca tive isso em casa. Algumas vezes a minha mãe viajava com o colégio, se não me engano era uma vez por ano em que ela ficava um fim de semana fora, por que o colégio realizava um encontro dos professores num hotel em algum lugar distante. Vai saber.
Fato é que se eu quiser me sentir 'legal', com ares de pai de coleguinha [a maioria deles, xaropes] eu diria hoje "amanhã vou viajar a serviço"; mesmo sabendo que é só uma viagem custeada por um orgão público interessado na integração entre estudantes de diferentes locais e aréas.
Talvez o serviço lá será o de tocar canções populares inéditas. Eu acho.

www.myspace.com/bielcoiso

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Canções...

Conforme disse excessivas vezes na postagem anterior, eu gravei uma canção no feriado, dentre muitas que poderia ter gravado, dentre muitas que possuo por criação e etc. E devo dizer, trabalhar em canções é algo que tenho feito muito nos últimos meses, e por que não, dois anos. Bem, decorre disto que surge em mim a vontade, quase incontrolável, de mostra-las, seja a meus amigos mais próximos seja a desconhecidos. E realmente, o faço.
Criei perfil no tramavirtual [aonde estão todas as minhas canções gravadas], criei perfil no myspace [aonde estão umas nove canções], fiz videoclipes e joguei no youtube, e, claro, sempre que surge a oportunidade de tocar 'ao vivo', com um aglomerado de pessoas olhando-me e ouvindo-me, não nego e toco.
Mas, pela segunda vez seguida, a sensação posterior a tocar não foi das mais positivas. Acabou, as pessoas aplaudiram, eu guardei meu violão e fiquei assistindo as outras apresentações. A sensação foi extremamente ruim. Ruim e entristecedora. Não consigo entender o por que. Cheguei em casa, e restou-me lembrar que nas próximas duas sextas feiras, lá irei eu, novamente, com violão em punho, tocar canções para desconhecidos universitários.
Será que alguém/você sabe por que me chateio? [perguntando ao campo intocável e memorável do cerebelo das memórias da vida que me levam à maioria das composições; sobretudo as recentes chateações auto-impostas por estupidez coisiana]. bosta.
www.myspace.com/bielcoiso
www.tramavirtual.com.br/coiso
[para quem ficar curioso].
vai corintias!

terça-feira, 21 de abril de 2009

Gravei uma canção...

Aproveitei a tarde de feriado, único momento que me restou para gravar uma canção no simples sistema de som aqui do computador de casa. Confesso que minha intenção para o feriado era de gravar no mínimo 5, para registrar em seu tempo de vivência os últimos 3 meses. Bem, não deu tempo, fica pra julho. Acontece que esta que gravei hoje ("lick my lips"), me remete [ou ad´vem] do meu núcleo 'compositor' mais xarope. Quando escrevo uma letra em inglês, faço uma melodia simples de 3 acordes simples e, pra piorar e completar a xaropisse, falo sobre algo que não aconteceu. Eu gosto disso, faço isso desde que comecei a brincar de compor, lá pelos 14 anos, quando tive a minha primeira banda [o vezpassada].
Esta música em especial ["lick my lips"] tem a peculiaridade de ter sido escrita do nada, por uma idéia que não me recordo de onde veio e que veio, a música em si, como total influência de Johny Cash. Porém, a letra, escrita de forma despretenciosa e, até certo ponto, até como um sarro, acabou ganhando corpo e vida na realidade, terminando por culminar fatalmente neste fétido estado em que me encontro agora. Enfim [para quem ouvir] pare de lamber os meus lábios.
Saio hoje da capital, mais cedo, para poder dormir em casa e acompanhar a aula de amanhã. Vou ajudar minha mãe a fazer pão de mel e ver se não choro.
Bem, a canção estará no meu myspace [ www.myspace.com/bielcoiso ] em alguns instantes, quem tiver a curiosidade, dá uma ouvida.

ps: o cotoco da árvore virou banco de ponto de ônibus.

domingo, 19 de abril de 2009

A árvore

Cortaram a árvore que tem/tinha na frente da minha casa. Diversas vezes já tinham tentado corta-la, mas sempre aparecia algum vizinho e não deixava. Ela era tão grande, e fazia sombra para quem esperava o ônibus no ponto que ficava a meio metro de sua enorme raiz. Ela devia ter uns 30 anos, pois, desde criança, me lembro dela ser grande como era até pouco tempo atrás. Após muitas podas e heróicas resistências, bem, a árvore não esta mais lá.
E devo dizer, até isso me chateou profundamente.

vai corintias!que só você pra me salvar ou me afundar de vez hoje.

sábado, 18 de abril de 2009

De volta a São Paulo...

Vim pra cá de madrugada, em um ônibus frio, com pessoas roncando e milhares de palitos de dente mentais cutucando as minhas idéias e me impedindo de dormir. Viagem de ônibus é sempre momento de ir pensando em algo, enquanto as luzes dos carros que vem no sentido contrário dão a única claridade dentro do ônibus. Mas, devo dizer, como se fosse velho já, que eram bons os tempos em que eu viajava pensando em "como será que funciona este aparelho de mp3?", ou "vou puxar assunto com a pessoa que está ao meu lado" (e ai eu passava toda a viagem imaginando o que eu poderia falar com aquela pessoa, apenas observando-a).
Fato é que cheguei de novo em São Paulo, desci na marginal do tio et, senti aquele cheiro gostoso de lembranças de que, até pouco tempo atrás, aquele cheiro era coisa de "todo dia". E enfim, minha mãe esta fazendo o almoço, alguma delicia gastronômica dela, e eu não vejo por que ficar bem aqui nos próximos 4 dias. Não há como criar uma sensação de bem estar, quando passou-se mais de cinco horas num ônibus com vontade de gritar e quando se passará mais de 4 dias querendo dizer algo sem poder, se quer, ser ouvido.

É só um dia então como outro dia qualquer, em que você não é ninguém especial pra ninguém.

Ps: os palmeirenses indo para o estádio começam a soltar seus fogos de artifício, o que me deixa mais nervoso ainda.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Fernando Collor de Mello

Você se lembra do impeachment do Collor? Eu não lembro, tinha apenas três anos.
Mas devo dizer, ah Collor, fizeste escola sabia? Quantos ainda chamam outros de irmãos, de amigos, e até (indo além de ti) de amor, paixão escondida, recoberta pela névoa das opções.
Enfim [encurtando a prosa que pensar nisso me enerva] quantos ainda passam a perna nos outros em busca de interesses próprios, e usam corpos como votos como lixo.
Quase acreditei na tua promessa.
E por fim, Fernandos Collor´s de Mellos se revelam com um 'que se foda'.

[VAI CORINTIAS!]

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Multi Proteíco

De uns tempos pra cá em minha vida eu tive uma certa crica com proteínas amontoadas. Explico. Por alguns anos em minha, pouco mais de dois, eu não comia carne animal, minha fonte de proteína era a soja e outras coisinhas das lojas de produtos "naturais". Lanches gigantescos, compostos por bacon, calabresa, ovo, hambúrguer e o que mais couber, eu apenas fui comer quando me mudei para o interior. Não sei, mas parece-me que em São Paulo, ou não me ensinaram a comer lanches nos tradicionais traillers que tem aqui no interior ou não há esse costume mesmo; lá é a terra do fast food em locais fechados com ar condicionado e pratos de vidro. É não é? Até mesmo nas regiões de periferia, como em minha amada Freguesia do Ó.
Pois bem, na última noite, em que passei, junto com o grupo, montando a apresentação do trabalho que apresentamos a algumas horas, demos uma pausa para jantar. Salada de repolho (que eu não como na casa dos meus pais), arroiz, fejâo, legumes refogados, hambúrguer e ovo frito.
Pois foi quando comia o ovo frito em cima do hambúrguer que soltei a frase minha vida se resume em: presente, igual a um saco, e passado, igual a 'ah, que legal, por que não aproveitei na época'?.
Por incrível que pareça, ainda me falta proteína.

http://www.myspace.com/bielcoiso

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Quem é o Coiso?

Estava eu numa daquelas insuportáveis festas universitárias em que 90% dos presentes bebe até cair, e outros 10% dormem. Eu não estava nem bêbado nem dormindo, alojei-me no fundo da casa, no quintal, sentei-me num confortável banco plástico e lá fiquei, era o lugar mais vazio da festa, aonde o som ruim não chegava com tanta potência e eu podia apenas apreciar uma jurupinga.
Aconteceu que chegou um daqueles bêbados chatos que não fala coisa com coisa e precisa [por que precisa] mostrar aos outros que é o mais bêbado da festa. Ele viu um adesivo meu em algum lugar e me perguntou você sabe me dizer como esse cara faz os adesivos? Dei uma de desentendido e ele refez a pergunta você sabe como que o coiso imprime os adesivos dele?
A resposta mais sincera que eu poderia dar, e que dei, foi não sei, eu não o conheço.

http://www.myspace.com/bielcoiso

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Agenda?

Quarta-feira, primeiro de abril de dois mil e nove. Hoje começou o grupo de estudos "baleia na rede", de cinema e literatura. A reunião começou as 3, e eu acabei de chegar na faculdade (são quatro horas), e não entrei, nem vou entrar na reunião. Começo a pensar que talvez seja bom ter uma agenda, sabe, só pra não fazer coisas desse tipo, marcar uma coisa aqui, outra acolá, propor uma terceira, e quando perceber serem todas em horários aproximados mas que, de toda forma, bem, não posso me dividir ou mesmo 'fracionar' a dedicação de tempo em pequenas porções para cada coisa.
Besteiras a parte, eu ganhei uma agenda do meu tio no começo do ano, e agora, talvez eu passe a usa-la. Estou realmente chateado de ter perdido esta reunião; e eis aqui um sentimento nunca antes experimentado (finalmente).

http://www.myspace.com/bielcoiso