quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

não gosto dessa merda

Escrevi um longo texto sentado no paço municipal da prefeitura hoje, estou com raiva, pura e simplesmente. Queria digitar aqui todo o texto, mas estou sem saco agora.
A questão é a seguinte: qual a diferença entre um maço de cigarros e um celular?
Cheguei na assistencia tecnica la pra ver o problema do celular nao mandar mensagens, após dez minutos num balcão, o atendente me colocou pra falar com o serviço de atendimento por telefone, após quinze minutos de ligação o rapaz disse "hum, procure uma assistencia tecnica ou loja da vivo", "eu já estou em uma loja da vivo". Quem vende celulares, oferece serviçoes, no meu caso, os serviços oferecidos [e pelos quais eu pago!] não estão sendo cumpridos; quando se compra um maço de cigarros, este te promete um certo sabor que você procura [e deve gostar], lhe promete tirar alguns minutos [ou anos] de sua vida e ele tem mal funcionamento quando, justamente, não lhe causa nenhum dano.
Fiquei em pé parado na porta da loja após a meia hora deixada lá dentro, acendi um cigarro e soprava a fumaça para dentro, atitude impensada, espontânea "senhor, não é permitido fumar aqui", "se aqui é permitido resolver problemas no meu celular, e vocês não resolvem, por que deixarei de fazer o não permitido?".
A diferença entre um maço de cigarros e um celular é o tempo que levam para queimar.

Um comentário:

pedro meinberg disse...

relaxe
a obsolescencia é programada
eles mandam,
nós obedecemos.

abraço.