terça-feira, 6 de janeiro de 2009

O fim do oriente médio

Em razão de meu passado, sinto-me meio que obrigado a medir bem as palavras para falar do oriente médio e estes conflitos intermináveis e sempre reacendidos por um dos lados. Na época da escola, por vezes censurei-me e apenas ouvi, arrepiado, segurando-me para não dar minha opinião, eu sabia que não podia. Enfim, chegou a hora de falar.
Ve-se na televisão, le-se na internet, nos jornais (e eu ouvia isso na escola), o primeiro ministro de Israel diz que a culpa de morrerem tantos civis é do próprio Hamas e dos palestinos, que "utilizam civis como escudo" (lembro de um desenho comparativo entre um guerrilheiro israelita e um palestino, o primeiro a frente de um carrinho de bebe, o segundo atrás). O meu questionamento naquela época, e que permanece até hoje, talvez de maneira não menos inocente é: se eles "sabem" que os escudos são feitos de civis, por que insistem em bombardear e atacar as linhas de frente?
Digo, este conflito é mais cultural do que qualquer coisa, na minha visão das coisas, e me chateou, profundamente, ter lido a frase "eles estavam avisados", sendo dita pelo presidente ou primeiro ministro de israel [não lembro]. Faça uma força, olhe nos livros de história, qual foi o povo que ouviu esta fala no século passado?
Me chateia, puramente. Não se trata de força política, se trata de gente!

http://www.myspace.com/bielcoiso

Um comentário:

Pedro Meinberg disse...

pois é. se trata de gente porém, interesses políticos e econômicos vem em primeiro lugar para alguns. infelizmente. abraço.